Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Ativista anticorrupção Arvind Kejriwal chega ao poder na Índia

A luta anticorrupção do ativista Arvind Kejriwal na Índia chegou neste sábado a uma nova etapa com sua nomeação como novo chefe de governo em Nova Déli, em busca de renovar através da política o que não conseguiu nas ruas. “A minha vida não mudou, pois sempre foi uma batalha contra a injustiça e a corrupção. Os métodos e as estratégias pode ser que mudem, mas a batalha é a mesma”, disse Kejriwal em entrevista coletiva usando o gorro branco popularizado por Jawaharlal Nehru, pai da independência indiana.

O líder do Partido Aam Aadmi (AAP, Partido do Homem Comum), criado há um ano, quis mostrar desde o princípio suas novas maneiras de governar e deixar assim para trás o “elitismo daqueles que se aproximam da política para buscar poder e dinheiro”.

Kejriwal, que neste Domingo jurou seu cargo num parque público, para onde foi de metro, diante de cem mil seguidores, viverá em um apartamento em Nova Délhi em vez de na residência oficial e rejeitou a proteção policial ou as luzes vermelhas de alerta no seu veículo.

“Nunca imaginei que poderia haver uma revolução como esta. A nossa vitória parece um milagre. Hoje o homem comum ganhou”, afirmou Kejriwal no seu primeiro discurso como novo chefe de governo.

Este homem magro, de aspecto frágil, de óculos, nasceu há 45 anos na cidade de Siwani, no estado de Haryana, cerca de 200 quilómetros de Nova Déli, no seio de uma família culta de classe média cujo único meio de transporte era uma “scooter”.

O jovem Kejriwal formou-se em Engenharia Mecânica no final da década de 80 e após um breve trabalho em Tata Aços, em 1995 conseguiu uma vaga de funcionário nas Finanças indianas, onde aprendeu os mecanismos do sistema. Essa experiência o ajudou a fundar em 1999 a ONG Parivartan (Mudança) para ajudar em temas fiscais pessoas de poucos recursos, um primeiro passo ao que seguiu, a partir de 2006, o seu pleno ativismo na revelação de casos de más práticas, corrupção e evasão fiscal graças à Lei de Direito à Informação.

“Mas nos demos conta que era uma ferramenta insuficiente se ninguém ia para a prisão”, lembrou Kejriwal, por isso começou, sob a liderança do septuagenário Anna Hazare, a luta para criar uma defensoria pública que investigasse os casos de corrupção.

Conhecido como Lei Lokpal, foi aprovada finalmente na semana passada, depois das grandes mobilizações que o país viveu em 2011 e das greves de fome que protagonizaram tanto Hazare como Kejriwal. Foi então, apesar da insistência de Anna Hazare sobre a “sujeira” que é a política, que decidiu “dar um passo adiante e limpar o sistema a partir de dentro”. E venceu as eleições de Nova Déli, onde uma aliança com o Partido do Congresso o permitiu chegar ao poder.

Uma vitória que trouxe, avisou Kejriwal, “muita responsabilidade”, e pediu aos membros do seu partido que não sejam “arrogantes e que nunca esqueçam que estão para servir ao povo”.

“Por favor, jure comigo: ‘Nunca aceitarei um suborno”, sentenciou o novo chefe de governo.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!