Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Ataque a peregrinos deixa ao menos seis mortos e 15 feridos na Caxemira indiana

Pelo menos seis pessoas morreram e outras 15 ficaram feridas em um ataque insurgente nesta segunda-feira contra um comboio de peregrinos indianos que retornavam de uma visita à caverna-santuário de Amarnath, na região da Caxemira, no norte da Índia.

O ataque contra um autocarro de peregrinos “sem protecção” ocorreu por volta das 20h25 locais, em Khanabal, no distrito de Anantnag, declarou à Agência Efe uma fonte oficial, que pediu o anonimato.

Este ano, de acordo com as autoridades da Índia, cerca de 150 mil devotos indianos foram registados para realizar a peregrinação à caverna de Amarnath durante o período habilitado, que começou em 29 de Junho e prolonga-se por 40 dias.

A caverna de Amarnath é um popular destino dos peregrinos porque segundo a tradição hindu, o deus Shiva revelou ali o segredo de imortalidade à sua esposa Parvati, palavras que foram ouvidas por dois ovos de pomba que se transformaram também em imortais. A lenda deu lugar à crença de que aquele que peregrina até a caverna, onde há uma coluna de gelo que representa o falo de Shiva, obterá por sua vez a “mokshya” (salvação) e imortalidade.

Em 2001, em um dos piores ataques contra estes peregrinos, pelo menos 12 pessoas morreram e outras 17 ficaram feridas, entre elas dois policiais e cinco devotos. O ataque de hoje aconteceu depois que o exército indiano matou três insurgentes na Caxemira indiana quando eles tentavam cruzar a Linha de Controle (LoC, a fronteira ‘de facto’ que separa a Índia e o Paquistão na região) enquanto as tropas paquistaneses supostamente apoiavam os “intrusos” com “fogo de cobertura”.

Paquistão e Índia se acusaram mutuamente ao longo do dia de hoje e no último fim de semana da morte de vários civis e soldados na LoC em meio a um aumento das acusações que coincidiram com o primeiro aniversário, no sábado passado, da morte de um jovem insurgente da Caxemira que provocou meses de protestos.

A Caxemira é objecto de litígio entre o Paquistão e a Índia desde a partição do subcontinente indiano em 1947, após o fim do domínio do Império Britânico. As Nações Unidas ditaram várias resoluções para encontrar uma solução para o conflito em uma região que tanto o governo indiano como o paquistanês exigem em sua totalidade e pela qual travaram duas guerras e vários conflitos menores.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!