Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Armando Artur exige mais esmero dos criadores e artistas culturais

O Ministro moçambicano da Cultura, Armando Artur, exige dos profissionais da cultura mais esmero na busca de mecanismos e respostas que garantam aos empreendedores, criadores e artistas em geral, um ambiente favorável à sua criatividade, o acesso às matériasprimas e mercados culturais fiáveis.

Armando Artur manifestou a exigência, esta sexta-feira, em Maputo, na sessão de encerramento do Seminário Nacional de Capacitação sobre Indústrias Culturais e Criativas que, durante cinco dias, juntou em Maputo técnicos do sector idos de todo o país para aprimorarem as capacidades profissionais. No encontro, foi também tónica dominante a análise do ponto de situação em termos de políticas e práticas no país, neste âmbito, analisados os elementos e etapas do processo de desenvolvimento da Economia Criativa e da Cultura, bem como os desafios que a pirataria e contrafacção de produtos culturais representam.

“Estamos convictos que, mais do que nunca, com as ferramentas que ora dispomos, estamos aptos para impulsionar cada vez mais o papel da cultura e da criação artística na geração da riqueza individual e colectiva, contribuindo desde modo para o desenvolvimento do país e fortalecendo da nossa moçambicanidade”, disse o ministro.

No seminário, segundo o Armando Artur, os técnicos ficaram mais elucidados quanto ao significado e dimensão da sua missão, dado que permitiu adquirir maior robustez às suas competências profissionais, teóricas e práticas, para espevitar, no seio dos operadores da sociedade civil, de organismos públicos, o interesse para com o sector da cultura naquilo que representa à geração de emprego e rendimentos. Entre os temas que dominaram os debates no seminário pode-se destacar oportunidades e desafios que o desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação representam para o desenvolvimento das indústrias culturais e culturais.

No final, os participantes receberam os diplomas de participação e houve espaço para testemunharem uma bela exibição do tufo, dança originária das províncias de Nampula e Cabo Delgado, região norte do país, que representa uma das expressões do vasto mosaico cultural moçambicano.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!