Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Aqueles que vão morrer sorriem-te

O Urbi et Orbi de Obama

“Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, pois a pessoas assim é que pertence o Reino de Deus.”  Este trecho faz parte do Evangelho de São Lucas e, de acordo com ele, Jesus Cristo terá proferido esta frase quando alguns crescidos afastavam as crianças que o rodeavam, julgando que a presença dos petizes o perturbava. Cristo surpreende-os ao ter uma reacção  contrária: chamou-as, respondeu às suas perguntas, brincou com elas, acarinhou-as, ouviu as suas histórias.

A nossa legislação, em relação às leis de protecção à criança e aos seus direitos, é quase tão elevada como os sentimentos de Cristo nesta matéria. Mas, nunca um calhamaço – são 352 páginas – esteve (está) tão longe da realidade como este. 

Na declaração dos Direitos da Criança adoptada por Moçambique em 1979 – decretado pelas Nações Unidas como o Ano Internacional da Criança – aprovada pela então Assembleia Popular e com a nota final “Publique-se” subcrita pelo presidente Samora Machel, lê-se a dada altura: “Tens o direito [criança] de crescer rodeada de amor e compreensão, num ambiente de segurança e de paz. Tens o direito de viver numa família. Quando não tiveres família, tens o direito a passar a viver numa família que te ame como um filho. A escola deve ensinar-te a compeender o mundo onde vives e como transformá-lo, de conhecer a história do teu povo e a sua cultura, de aprender a dominar a ciência e a técnica. Cada vez mais vamos multiplicar para acolher todas as crianças do nosso País. Tens o direito à protecção da tua saúde, a viver num ambiente saudável, a ter uma boa alimentação, a seres ensinada a defender-te contra a doença. Quando estiveres doente, tens o direito de ser tratada com todos os cuidados, com todo o afecto e carinho.

Esta declaração completa 30 anos em Dezembro próximo e parece, a avaliar pela realidade, que cada vez caminhamos mais no sentido contrário ao que está no papel. Nunca como aqui o adágio popular “de boas intenções está o inferno cheio”, se aplicou tão bem como no caso das nossas crianças.

Aqui, efectivamente, o papel e a prática estão a anos-luz. Basta percorrer as ruas das nossas cidades, e em Maputo a realidade é ainda mais dura, para perceber o quão violamos diariamente os direitos mais básicos das nossas crianças. Quantas não têm família? Muitas. Quantas têm uma habitação condigna? Muito poucas. A quantas proporcioamos uma saúde e uma educação dignas? A muito poucas. A quantas damos uma alimentação aproriada? A muito poucas. A quantas transmitimos o nosso carinho? A muito poucas. E o mais grave de tudo: ao desprezarmos as crianças estamos a desprezar metade dos moçambicanos porque, como é sabido, estas constituem perto de 50% da população do país.

O Estado – há processos de adopção que chegam a arrastar-se mais de três anos! – e nós, cidadãos deste país, há muito que as deixámos de regar. E as crianças, como as flores, sem água (ternura, carinho, preocupação, desvelo) murcham. Logo elas que deviam, devido à idade, ser as mais viçosas do nosso jardim.

Mesmo assim, no meio de toda esta tragédia, diariamente há crianças que ainda nos sorriem tentando um derradeiro florescimento. Porque o mundo, como dizia o poeta, pula e avança como uma bola colorida entre as mãos de uma criança.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!