Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mais de uma semana após o desabamento da parede da piscina olímpica do Zimpeto a culpa ainda é do vento

Mais de uma semana após o desabamento da parede da piscina olímpica do Zimpeto a culpa ainda é do vento

Foto de Adérito CaldeiraMais de uma semana após o desabamento da parede da entrada principal da piscina olímpica do Zimpeto, que feriu nove pessoas e causou a morte do treinador de natação Frederico dos Santos, ainda não são conhecidos os resultados do inquérito que terá sido já concluído pela equipa multi-sectorial criada para investigar as causas do sinistro. A culpa ainda é do vento!

No dia seguinte à tragédia, que inicialmente foi atribuída ao tempo quente seguido de vento forte que se fez sentir no passado dia 20 de Fevereiro, Adamo Bacar, o director do Fundo de Promoção Desportiva, entidade que tem sob a sua alçada a gestão do complexo de natação construído em 2011 para os Jogos Africanos que Moçambique acolheu nesse ano, prometeu que até a passada sexta-feira(26) a comissão de inquérito, que foi entretanto criada para investigar o sinistro, iria divulgar as causas preliminares.

A comissão de inquérito é liderada pelo Ministério da Juventude e Desportos e integra os Ministérios das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos; da Saúde; do Trabalho, Emprego e Segurança Social; Governo Municipal de Maputo e o Laboratório de Engenharia de Moçambique. A Polícia da República de Moçambique também está a investigar a queda da parede.

A piscina olímpica foi construída por um consórcio formado pelas empresas portuguesas Mota-Engil e Soares da Costa, sem concurso público, e que na altura se vangloriou de ter conseguindo edificar a obra reduzindo em três meses o prazo inicial.

“Quanto às prováveis causas da queda do muro, face ao que nos é possível observar, somos de opinião que o que poderá estar na origem do derrube em causa é uma conjugação extraordinária de dois fenómenos anormais e imprevisíveis: a ocorrência de altas temperaturas e a ocorrência de ventos atípicos de extrema intensidade”, afirmou o consórcio português em comunicado de imprensa após a tragédia declarando que cumpriu com todas as formalidades constantes do contrato de execução da piscina olímpica.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!