Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Agricultura biologica salva famílias na Zambézia

O Distrito de Inhassunge, sul da província da Zambézia, centro de Mocambique, tem potencial agro-ecológico para introduzir uma agricultura biológica de carácter medicinal e comercial, capaz de resolver o problema da pobreza agudizado com a morte do palmar.

Esta tese foi defendida, há dias, por Maria Paula Lacerda, em entrevista ao “Noticias” na cidade de Quelimane, a capital da Zambezia, quando acabava de receber do Executivo, o título do Direito de Uso e Aproveitamento da Terra (DUAT), em Inhassunge, numa área de 360 hectares para desenvolver um projecto de agricultura biológica de carácter medicinal.

Numa primeira fase a empreendedora plantou mais de mil árvores de uma planta chamada moringa adquirida na comunidade de Carungo e tem capacidade e propriedade de curar mais de 300 doenças e as sementes dessa planta servem, igualmente, para purificar água e com um elevado grau para resolver problemas de nutrição.

No distrito de Inhassunge, segundo Paula Lacerda, todos os residentes têm moringa nos seus quintais mas desconheciam a importância da planta na alimentação e na medicina, por isso, afirmou que há condições favoráveis para tornar a moringa uma fonte alternativa ao coqueiro já dizimado para milhares de famílias, o que passa, necessariamente, em massificar a sua produção de forma organizada, processar e comercializar no país e no mundo.

Lacerda explicou que está a trabalhar numa área de 1,5 hectare e já está a processar a moringa e a comercializar, a título experimental, nos estabelecimentos comerciais da cidade de Quelimane. A empreendedora disse que a planta pode crescer até sete metros de altura e exige uma dose de cuidados em termos de maneio integrado, nomeadamente, podas e outros.

A moringa pode ser usada para várias aplicações como, por exemplo, produzir óleo alimentar, sabões, shampos, cremes, entre outros produtos que podem concorrer para as famílias reduzirem a pobreza. As folhas são colhidas ao luar, depois colocadas a secar na sombra. Estas são processadas tradicionalmente no pilão e de seguida transformadas em pó que é embalado e comercializado. É tudo natural e sem químicos. A adesao das pessoas é grande, pelo menos na cidade de Quelimane.

Paula explicou que há países no mundo, incluindo nos EUA, onde viveu há vários anos, que levam a moringa nacional que depois de processada e conservada em plásticos ou frascos são chancelados como sendo desses países. Chama atenção, no entanto, de que se o país não acordar e estar preparado corre o risco dos outros ocuparem o lugar de Mocambique no mundo como produ- tores e exportadores da moringa.

A ideia de Lacerda não é apenas produzir a moringa, como também outras culturas que fazem parte da agricultura biológica, nomeadamente a amargosa e aloivera. Segundo as suas palavras, a produção, comercialização e exportação daquelas culturas não só pode ajudar a pagar impostos, salários como também, investir noutros negócios por forma que as famílias se livrem da pobreza.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!