Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

A Semana

Lourenço Jossias lança biografia

Foi lançado esta terça-feira, em Maputo, o livro “Nascido a 12 de Agosto –Biografia”, do jornalista Lourenço Jossias. A cerimónia decorreu no Espaço Cultural Kulungwana, localizado na Estação dos Caminhos-de-Ferro de Moçambique, na baixa da cidade.

Na sua biografia, Lourenço, que é editor do semanário Magazine Independente, fala da sua motivação para escrever e publicar a presente obra, sendo que, desde as várias realizações que faz, diz: “desde que ganhei o hábito pela leitura nos meus tempos de miúdo que gostei de ler, entre outros géneros literários, as biografias e autobiografias. Ao lado de entrevistas, as biografias e as autobiografias e também as memórias são as minhas leituras predilectas”.

Segundo diz, foi lendo biografias que se apercebeu da dimensão humana e política de figuras como Eduardo Mondlane, Samora Machel, Joaquim Chissano e Armando Guebuza, para falar dos dirigentes moçambicanos de ontem e hoje.

Revela ainda que foi a partir de biografias que conheceu o peso e a trajectória de homens como Oliver Thambo, Govan Mbeki, Nelson Mandela, Julius Nyerere, Kenneth Kaunda, Margareth Thacher, Michail Gorbatchov, Mário Soares, Kamuzo Banda, Indira Ghandi, Mahatma Gandhi, entre outros políticos e figuras incontornáveis da história da humanidade.

Dívidas paralisam Água Rural em Tete

Cinquenta e seis trabalhadores do Estaleiro Provincial da Água Rural (EPAR) em Tete estão, desde sábado em grave geral, amotinados defronte das instalações da Direcção das Obras Públicas e Habitação naquela cidade, entoando cânticos. O grupo exige o pagamento de oito meses de salários em atraso e outros direitos inerentes, que rondam um valor monetário de dois milhões e quinhentos meticais.

Augusto Catete, delegado do estaleiro, começou a queixar-se da falta de salários após o pagamento em Outubro do ano passado de outros sete meses atrasados do ano anterior.

“A crise vem desde 2000 e é do conhecimento do Ministério das Obras Publicas e Habitação, através da respectiva direcção provincial. Na altura foi-nos dito que a Direcção das Obras Públicas e Habitação havia de nos alocar projectos para a nossa sustentabilidade, o que não aconteceu até hoje. É por isso que decidimos fazer esta manifestação como ultimato. Se não nos pagarem, nos próximos 15 dias vamos vender os equipamentos sob a nossa responsabilidade no estaleiro e efectuarmos os pagamentos dos oito meses de salários aos empregados”, disse Catete.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!