Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

A ntyiso wa wansati – A Maior Aventura

É ao fim da tarde quando te vou buscar que o dia recomeça numa nova e particular existência abençoada pelo teu sorriso iluminado a azul quando atravessas o recreio e vens directo a mim como uma seta ensinada pelo coração. Às vezes demoro-me a distinguir-te no meio das outras crianças, mas o teu corpo alto e a tua cabeça redonda como uma bola perfeita destacam-se por entre os bibes azuis e logo te encontro, os joelhos esfolados e as mãos encardidas, a cara ofegante e esse sorriso que só se tem aos 5 anos, ou muito de vez em quando, quando o amor transforma a paixão numa doce existência.

Sempre te vi na minha imaginação ou no meu coração – e não serão uma e a mesma coisa? – doce e bonito, metade anjo metade príncipe, com o olhar celestial dos meninos bem comportados. Se calhar foi por isso que quando os enjoos matinais me decifraram o futuro, percebi logo que ias ser um rapaz e desatei a comprar jardineiras e ténis azuis, adivinhando sem saber o teu sexo e cor dos olhos que me guia para casa, todos os dias ao fim da tarde pela estrada fora.

Juntos cantamos músicas da Disney, tu gostas do Rei Leão e eu da Bela e o Monstro, ambos concordamos que a Mulan foi uma menina muito corajosa e que a Esmeralda até era boa rapariga e eu explico-te a metáfora do Corcunda de Notre Dame para que aprendas a ver a beleza em todas as pessoas. Há dias em que quase não falamos, eu vou a pensar na vida e tu no Game Boy que te espera em casa, outras vezes explico-te porque é que vim mais cedo ou mais tarde e tu percebes tudo porque és meu filho e gostas de mim.

Gosto de encostar a minha boca de mãe à tua testa lisinha e mole, gosto de ouvir a tua voz de menino a dizer-me a Mãe sabe que eu gosto muito da Mãe? Ao mesmo tempo que semicerras os olhos e mais uma vez o teu sorriso ilumina o mundo. Sabes, meu filho, é que antes de tu nasceres eu era só mais uma pessoa avulsa, tinha muitas ideias mas pouca força, alguns sonhos e muitos disparates na cabeça, sensatez e ponderação eram palavras complicadas e opacas cujo significado não me apetecia ir ver ao dicionário.

Depois tu chegaste, um bocadinho de gente num choro mimado e foi assim que começou a maior aventura da minha vida. Às vezes o cansaço toma-me os braços e a cabeça, ralho contigo e zango-me se trocas os talheres à mesa ou dizes asneiras, mas é à noite quando te adormeço na penumbra do teu quarto forrado a sonhos e ursos simpáticos, que me alimento do teu ar quando mergulhas no sono tranquilo e seguro.

Fecho os olhos para te ver melhor, qualquer dia tens 18 anos e uma colecção de namoradas giras e simpáticas com quem vais comer gelados e trocar discos, mas quando fores pai, ou crescido, ou te formares, ou aceitares o teu primeiro emprego, vou-me sempre lembrar do bocadinho de gente que eras, do choro mimado antes de te pôr ao peito, dos joelhos esfolados e da tua voz aos 5 anos a dizer a Mãe sabe que eu gosto muito da Mãe?

É que a memória é o nosso melhor património e é por causa de ti que o meu coração é como o universo, está sempre a crescer e nem eu nem ninguém sabe onde vai parar.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!