Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

A magia transportada pelas faces do cubo

A magia transportada pelas faces do cubo

Todo o mistério deste livro começa com uma discussão entre mãe e filho sobre o destino de uma neta ainda por nascer. A começar pelo nome: Thokozane! Na verdade, cito: “A tua esposa dará à luz uma criança do sexo feminino a quem chamarão Thokozane. Será uma mulher poderosa, dirigirá homens, dominará a sabedoria do branco, dominará também a arte da cura dos males do corpo e da alma que enfermam o mundo”.

Mais ainda: “Não casará, se o fizer, esse casamento não perdurará porque ela será esposa dos espíritos por eleição natural.”

Ao iniciar a sua obra com este ensejo, o autor coloca-nos diante de uma perigosa ribanceira: ou descemos, ladeira abaixo, em segurança, para nos confrontarmos connosco próprios, ou ficamos no sopé da montanha contemplando a paisagem como se nada fosse connosco.

O autor coloca-nos perante ao faces de um cubo: frias, distantes umas das outras, anulando-se mutuamente, porém, sustentando-se (o que pode parecer um paradoxo)!

Cada uma das faces deste cubo representa valores, valores que se pretendem autónomos, únicos. Valores que reclamam para si o selo da autenticidade.

  • São os valores da tradição e o poder dos espíritos;
  • São os valores da Igreja e o poder divino;
  • São os valores do Estado que as leis impõem;
  • São os valores do nosso próprio ego que exaltam a paixão e o amor.

Sim, Thokosa, mãe de Rufaque, ficou zangada porque o filho não aceitou o seu discurso.

A neta nasceu, cresceu, estudou e fez-se engenheira agrónoma. Saberia, muito mais tarde, através de sonhos, que o seu nome tradicional é Thokozane e que era pertença dos espíritos.

A par da sua superior inteligência, Fátima, ou Fatinha como era tratada, sentia uma força interior enorme. E, contrariamente aos ditames da avó, duas vezes se casou e duas vezes enviuvou.

Volto a citar: “Quando ela nascer, advertira a avó, traga-a junto de mim antes da queda do cordão umbilical, para que eu a vacine contra todos os males do corpo e da alma. Para que eu a baptize e a apresente aos legítimos donos. Não permitas que ela seja baptizado com outro nome, onde habitam os seus donos. Não tentes nunca negar-lhe esta dádiva natural, ou a vida dela, no futuro, tornar-se-á em algo com sabor amargo e intragável. Nesse momento, ela te apontará com dedo indicador em riste, dizendo: pai, tu és o responsável pela minha desgraça!”

Apesar dos valores da modernidade terem rejeitado este pacote, esta engenheira agrónoma chegou a ministra.

E foi em plena sessão do Conselho de Ministros, depois de uma arrasadora intervenção, que os espíritos se apossaram dela embaraçando o colégio ministerial, os serviços de protocolo e de segurança.

Afinal, de que lado estamos na face de um cubo?

Para terminar, fixo esta pequena síntese: Do ponto de vista temático este livro resvala entre o tradicional e o moderno, assente numa construção clássica que nos remete para as nossas leituras do antigamente, desde a Coleção 6 Balas, ao Jorge Amado ou Eduardo Paixão.

Possui belíssimos diálogos, precisos e eficazes, prefácio do Marcelo Panguana e capa do Ídasse Tembe. Caso para dizer que se trata de uma estreia madura!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!