Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

A gala pariu um rato

Numa noite em que o grande prémio não saiu, João Fumo, Anabela Massinge, Joel Chiziane, Boaventura Mandlate e Francisco Júnior foram únicos jornalistas premiados.

O prémio foi entregue na quinta- feira passada, no decurso da Gala da 4ª Edição dos Prémios Jornalísticos atribuídos pela SNJ em parceria com o empresa de telefonia móvel Vodacom.

Joel Chiziane foi o único premiado de um órgão independente e com um trabalho sobre as manifestações de 1 de Setembro de 2010, com o qual não teria concorrido porque estava fora do intervalo que o Sindicato Nacional de Jornalistas tinha definido. Porém, as reclamações da imprensa fizeram com que o SNJ considerasse esse tempo. Por essa razão as regras foram alteradas e os trabalhos dizem respeito à 12 meses e não aos nove.

Vencedores

Com a reportagem “Cemitério de Lhanguene: Um Submundo de Sobrevivência”, os jornalistas João Fumo e Anabela Massingue, do jornal Notícias, ganharam o Prémio Anual de “Abel Faife”, pela melhor trabalho, cabendo-lhes uma importância pecuniária de três mil dólares americanos.

O trabalho “Cemitério de Lhanguene: Um Submundo de Sobrevivência” explora a vida das pessoas que olham para o local como um meio de ganhar dinheiro. Ou seja, desvenda um intrincado mundo que os muros do cemitério escondem, mas que coexiste com os mortos e faz deles, indirectamente, o fruto do seu pão.

O melhor “Leite de Vasconcelos”, para o melhor trabalho radiofónico foi atribuído ao jornalista Boaventura Mandlate, da Rádio Moçambique. Boaventura apresentou uma série de trabalhos sobre o dia-a-dia dos distritos.

Na categoria de televisão designada “Teresa Sá Nogueira” para o melhor programa de TV, o reconhecimento foi para Francisco Júnior, da Televisão de Moçambique com o trabalho “Diana: pelos piores motivos entrou na história. O prémio “Daniel Maquinasse”, para a melhor reportagem-fotográfica, coube ao fotojornalista Joel Chiziane, do jornal Savana”.

Por deliberação do júri, o grande prémio “Aquino de Bragança”, que premeia trabalhos investigativos, correspondente a dez mil dólares, não foi entregue por não terem sido alcançados os itens considerados para este nível. Para a presente edição concorreram 97 trabalhos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!