Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

78 mortos em novos atos de violência na Líbia

Setenta e oito pessoas morreram terça-feira, na Líbia, numa nova onda de violência marcada por confrontos entre tropas governamentais e do Daech (Estado Islâmico) em Sirtes (centro), soube-se de fonte oficial no local.

O balanço inicial era de 49 soldados a que se juntam as vítimas de uma explosão num entreposto de munições em Garabolli, a leste de Tripoli, que fez 29 mortos, de acordo com a mesma fonte.

Uma fonte militar confirmou esta quarta-feira que o número de mortos entre as forças da operação militar atingiu 49 mortos e 120 feridos após combates de terça-feira contra o Daech em Sirtes contra 20 mortos e de 30 feridos registados anteriormente.

Este balanço é o mais pesado desde o desencadeamento, em maio último, da operação militar apoiada pelo Conselho Presidencial )Presidência) do Governo para a libertação da cidade desta domínio da organização terrorista.

A operação « Bouniane Al-Marsous » (Arquitetura Blindada) confirmou a retomada do controlo de novas sedes e zonas estratégicas nesta cidade, incluindo Rádio Sirtes e a Empresa Geral de Electricidade.

Na cidade de Garabolli, homens armados atacaram, terça-feira última, um depósito de armas pertencente a uma milícia de Misrata que operava na cidade, indicaram fontes locais que afirmam que as razões desta explosão ainda são desconhecidas.

A Líbia está a braços, há mais de cinco anos, um caos de segurança logo depois da destituição, em agosto de 2011, do então regime de Muamar Kadafi depois de 42 anos de poder ditatorial.

A desordem favorece a expansão de grupos jihadistas como Al-Qaeda e Daech que se aproveitam disto para controlarem várias cidades.

Além da insegurança, o país está confrontado com uma grave crise política visto que o processo político está num impasse devido a bloqueios a nivel do Parlamento que impediram o voto de confiança a favor do Governo de União Nacional encarregue de gerir uma transição consensual.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!