Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

24º Dia da Greve dos Profissionais de saúde: “por que razão estão a pedir a fantasmas para tratar o povo”

Os Profissionais de Saúde moçambicanos reafirmaram nesta quarta-feira (12), que a sua greve “é um direito legal e constitucional e alguns na tentativa de desinformar e de desestabilizar uma luta justa proferem discursos enganosos” em resposta às declarações do Governo que considerou esta semana a paralisação de ilegal e ameaçou aos grevistas com processo disciplinares. Ainda hoje vários Profissionais de Saúde em greve marcharam pacificamente pelas artérias da cidade de Nampula.

Recorde-se que após o Conselho de Ministro de 28 de Maio o mesmo porta-voz do Governo havia reconhecido a legalidade da greve dos Profissionais de Saúde. “Não podemos deixar de reconhecer que a greve é legítima, mas não se trata de uma situação de que o governo estaria, só por capricho, ignorar as reivindicações, mas é preciso perceber que estas só podem encontrar solução dentro do Orçamento Geral do Estado.” Disse na altura Alberto Nkutumula, que também é vice-Ministro da Justiça.

Relativamente a recusa do Executivo de Armando Guebuza em negociar com a Comissão dos Profissionais de Saúde Unidos (CPSU), por não ser um organização legalmente registada, a que o porta-voz do Conselho de Ministros chamou de “fantasmas” os Profissionais de Saúde questionam “se os profissionais de saúde são fantasmas por que razão estão a pedir a fantasmas para tratar o povo?”

Marcha em Nampula

Cerca de sete dezenas de Profissionais de Saúde marcharam na manhã desta quarta-feira (12), no âmbito da greve que observam há 24 dias consecutivos, reivindicando melhores salários e um Estatuto Profissional mais digno.

A marcha pacífica, que começou nas proximidades da maior Unidade Sanitária, do norte de Moçambique,  cruzou a avenida Paulo Samuel Kankhomba até a Cé Catedral e fez o percurso inverso, sob escolta de um contingente da Força de Intervenção Rápida, acontece dois dias depois da governadora da província de Nampula, Cidália Chaúque, haver visitado o Hospital Central de Nampula e ter afirmado que o atendimento médico estava a ser prestado dentro da normalidade, em mais uma tentativa do Governo de desencorajar aos Profissionais da Saúde em greve um pouco por todo Moçambique.

Ana Lopes, porta-voz da marcha, afirmou que Profissionais de Saúde vão manter a paralisação pois é a solução que restou para persuadir o Governo a resolver os seus problemas.

Sábado nova marcha na Capital

Entretanto os Profissionais de Saúde já anunciaram uma nova marcha pacífica, na cidade de Maputo, no próximo sábado (15) a partir das 9h30, partindo do Ministério da Saúde, cruzando as avenidas Eduardo Mondlane, Vladimir Lenine, 25 de Setembro até ao Circuito de Manutenção António Repinga, na baixa da capital moçambicana.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!