Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

20 anos atraindo o belo

Inéditos de Cortázar descobertos em Paris

 

“Eu sou inteligente porque venho de África e não porque sou africano”  – Bento Mukesswane

 

“A arte em Moçambique precisa de se afirmar como instrumento fundamental e interveniente na sociedade. (…) É urgente alargar o número de apreciadores interessados pela arte, abrir novos horizontes em relação a novas formas de práticas artísticas e estender este esforço para além da cidade capital”

 

O mês de Maio será atípico. Para as artes plásticas em Moçambique. Ou seja, o Museu Nacional de Arte vai levar a cabo, nesse período, uma exposição – para comemorar os 20 anos do Museu Nacional de Arte e o Dia Internacional dos Museus – composta pelas melhores obras patentes naquela instituição e que constituem o seu acervo. Será também a comemoração de um percurso que, nos finais de 1980, demonstrou o estabelecimento de uma estrutura que apoiou e incentivou um grande número de artistas que produziram as artes plásticas na sua mais ampla magnitude: pintura de cavalete, escultura de talhe, desenho, gravura e fotografia.

Estas produções, segundo estudiosos, pautam por narrativas nacionalistas, sociais, culturais e todas as preocupações que, de certa forma, estam presas às questões de forma. “A crítica e a censura da arte vieram antecipar a produção, adoptando uma estratégia de repressão e direccionismo, a qual acabou por ditar uma determinada estética e conceito de arte em Moçambique”.

Será uma homenagem ao trabalho de várias mãos e de muitos sentimentos. Uma festa à imaginação. Será, também, – socorrendo-nos duma análise feita pelo MUVART (Movimento de Arte Contemporânea em Moçambique), – o resultado de uma produção que soube cruzar aspectos da tradição, da antropologia, da sociologia, do secretismo e das ideologias partidárias em prol de uma estética e linguagem específicas, “as quais classificamos hoje de escola de pintura e da escultura moçambicana”.

O Museu Nacional de Arte é ainda um verdadeiro alfobre de artesanato, onde se produzem as mais belas obras por homens que não estarão muito longe da arena dos grandes artistas. Aliás, ao introduzirmo-nos na zona onde trabalham estes artífices, voltaremos à antiga questão que sempre se colocou: onde é que está delimitada a fronteira entre o artesanato e as artes plásticas? Seja como for, esta exposição, segundo Jorge Dias, Curador do MUZART, será atípica. Na nossa opinião será ainda uma estrondosa revisitação ao tempo e ao espaço, lembrando momentos e marcas de artistas que sempre acompanharam, uns, a evolução da história e outros que, mesmo fortes e coerentes, nunca mudaram de residência.

Aliás, em relação a evolução, que nos conduzirá à Arte Contemporânea, cujos traços podem ser vistos em obras que fazem parte do espólio do Museu Nacional de Arte, queremos recordar aqui uma entrevista dada a um órgão de comunicação português, por Jorge Dias: um professor de inegável competência.Uma figura que o Museu Nacional de Arte nunca dispensará, sobretudo pela sua sabedoria. Sobretudo pela sua entrega à causa da Arte. E sobretudo pela sua incomensurável sensibilidade:

Para Jorge Dias, “Moçambique vive hoje e viveu há muitos anos uma fase muito densa em experimentalismo — experimentar técnicas, formatos, dimensões, materiais —, o que foi compreendido como sendo arte contemporânea. Algo que foi acontecendo porque há pouco conhecimento em relação à arte contemporânea”.

Mas no MUVART, na escola e como artista – segundo Jorge Dias – existe uma preocupação diferente em relação a esses posicionamentos: “achamos que a arte contemporânea é um pouco mais do que isso. É reflexão sobre o tempo moderno, o actual, usar novos meios de comunicar e expressar que dialogam com o dia de hoje, o contemporâneo é romper com os estereótipos, é propor coisas novas”.

É isso: a exposição a ser promovida em Maio, será uma oportunidade para debate. Teremos uma miscelânea de obras com diversas e diferentes perespectivas. Diferentes abordagens que poderão suscitar discussões intensas e interssantes sobre o percurso das artes plásticas em Moçambique. Sobre a aceitação ou não da contemporaneidade. Será um espaço bastante aberto. Um momento para ainda perguntar: o moçambicano tem a cultura de visitação dos museus? O que será necessário para que ele vá desfrutar da beleza e do sonho que os museus nos oferecem? Será que esta força artística chega às restantes províncias do nosso país? Tudo isso e muito mais, caberá, concerteza, no debate que esta exposição poderá suscitar em Maio.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!