Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

ADVERTISEMENT

As (in)verdades do 4º Estado da Nação do Presidente Nyusi

As (in)verdades do 4º Estado da Nação do Presidente Nyusi

Foto da Presidência da RepúblicaEmbora tenha iniciado o seu 4º Informe sobre o Estado da Nação declarando que “devemos ter a coragem de dizer a verdade” o Presidente Filipe Nyusi fez na quarta-feira(19) um discurso com muitas inverdades: “construímos de raiz o armazém regional de Nampula”, “expandimos a campanha de vacinação contra o sarampo e rubéola”, “o nosso plano é disponibilizar mil autocarros até ao final do quinquénio”, “criamos até ao presente cerca de 1 milhão e 300 mil postos de trabalho em todo o país”, “somos uma das nações que menos polui no planeta”…

Discursando bem mais à vontade, e confiante, na Assembleia da República o Chefe de Estado começou por referir que: “mantemos hoje a mesma emoção, o mesmo sentimento de dever, o mesmo compromisso com a verdade (…) da mesma como nos comprometemos, devemos ter a coragem de dizer a verdade”.

No entanto durante as mais de 2 horas em que falou à Nação Nyusi alternou entre os números das realizações, que na verdade é o trabalho mínimo que se exige a qualquer Governo, e muitas inverdades.

“Incrementamos a capacidade logística de medicamentos, construindo de raiz o armazém regional de Nampula para servir as províncias de Nampula, Zambézia, Cabo Delgado e Niassa” vangloriou-se o Presidente omitindo que a infra-estrutura foi integralmente paga pelo Governo dos Estados Unidos da América e edificada por uma empresa sul-africana.

Filipe Nyusi recordou que o seu Orçamento de Estado continua a funcionar sem apoio dos Parceiros de Cooperação mas na verdade grande parte das realizações no sector da Saúde que disse “essas coisas estão a acontecer lá no terreno, estão lá esses postos”, só foram realizadas graças a doações de países e instituições estrangeiras como foram os casos da expansão da campanha de vacinação contra o sarampo e rubéola, do alargamento da cobertura do tratamento anti-retroviral, das acções de combate a desnutrição crónica.

Inverdades sobre empregos, poluição e conteúdo local nos investimentos do gás

Foto da Presidência da RepúblicaO estadista faltou ainda a verdade quando declarou que “para o transporte rodoviário de passageiros disponibilizamos 380 novos autocarros (…) o nosso plano é disponibilizar mil autocarros até ao final do quinquénio”. Na verdade em 2015 foram alocados 108 machimbombos , em 2016 foram 50, em 2017 outros 102, em 2018 foram 278 e em 2019 mais 100 deverão entrar em circulação o que totaliza apenas 638 autocarros em cinco anos com a particularidade de 503 ficarem em Maputo.

“No quadro do nosso compromisso de promover emprego e trabalho produtivo para os moçambicanos, especialmente os jovens, criamos até ao presente cerca de 1 milhão e 300 mil postos de trabalho em todo o país” insistiu o Presidente na retórica de estar a criar mais empregos do que todos os seus antecessores. Aliás o seu primeiro-ministro admitiu no Parlamento que muitos dos empregos contabilizados são precários, pois supostamente foram criados na agricultura, e muitos outros tratam-se do chamado auto-emprego, portanto sem contratos ou mesmo descontos para a Segurança Social.

Filipe Nyusi disse também que Moçambique é “uma das nações que menos polui no planeta” contudo milhares de cidadãos residentes no distrito de Moatize, e até mesmo na cidade de Tete, o desmentem. Na província de Maputo é também notável a poluição da cimenteira que ali está instalada há décadas e começam a notar-se os impactos poluentes da fundação de alumínio Mozal.

“Em 2018, em parceria com o sector privado, demos passos decisivos para assegurar que as oportunidades a surgir da dinâmica de investimento directo, destacamos a Conferência de oportunidades do sector do gás que decorreu na província de Cabo Delgado e pela primeira vez, depois foi replicada pelo país, fomos capazes de mapear e divulgar as oportunidades neste sector” destacou o Chefe de Estado.

Porém o facto é que a Lei do Conteúdo Local que está em negociação há alguns anos ainda não foi aprovadas e em Palma a Anadarko está a gastar 550 milhões de dólares com empresas que não são moçambicanas.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!